Ísis, Osíris, Hórus e Set

Ísis.

A mais ilustre das deusas egípcias. É representada à procura de Osíris, seu irmão-esposo defunto, que ressucita com seu sopro; ou aleitando seu filho Hórus; ou acompanhando ritos funerários. Ísis protege os mortos debaixo de suas asas e ressucita-os. Parece ter simbolizado, de início, a deusa do lar, por sua fidelidade e devotamento. Mas, depois de ter roubado, segundo uma lenda, o nome secreto do deus supremo, o Re, seu poder se estendeu sobre o universo, como poder divino. Todo ser vivo é uma gota do sangue de ísis. com efeito, tanto no Oriente Médio quanto na Grécia e em Roma, e em toda a bacia do Mediterrâneo, Ísis foi adorada como a deusa suprema e universal.

eu sou a mãe e a natureza inteira, senhora de todos os elementos, origem e princípio dos séculos, divindade suprema, rainha da alma dos mortos, primeira entre todos os habitantes do céu, os sopros salutares do mare, os silêncios desolados dos infernos, sou eu quem tudo governa segundo a minha vontade [citado por Serge Sauneron em Dictionaire de la civilisation égyptienne, Paris, 1959, pag. 140]

Em todos os circulos esotéricos, ela será considerada como a iniciadora, aquela que detém os segredos da vida, da morte e da ressureição. A cruz ansada (ankh) ou o nó de ísis são os símbolos dos seus poderes infinitos. Nas religiões fundadas nos mistérios, dos primeiros séculos da era cristã, encarna o princípio feminino de toda fecundidade e de toda transformação.

Osíris

Deus egípcio, primeiramente deus agrário, simbolizando a força inesgotável da vegetação; depois identificado com o Sol, na sua fase noturna, ele simboliza a continuidade dos nascimentos e renascimentos. Osíris é a atividade vital universal, quer esta seja terrestre ou celeste. Sob a forma visível de um deus, ele desce ao mundo dos mortos para lhes tornar possível a regeneração e, por fim, a ressurreição na glória de osíris, porque todo morto justificado é um germe de vida nas profundezas do cosmo, exatamente como um grão de vida no seio da terra [CHAMPDOR, Albert. Le Livre Des Morts, Paris, 1963. Pag. 17]

Tornou-se o deus cultivador. Encerrado num cofre por inimigos invejosos e por seu irmão Set, lançado depois nas águas do Nilo, ele será objeto de uma procura, como o Graal na Idade Média. Mutilado, despedaçado, ressuscitado pelo sopro das duas deusas Ísis e Néftis, frequentemente representadas com grandes asas, ele simboliza o drama da existência humana, destinada à morte, mas triunfando periodicamente sobre a morte. E ocupa um lugar importante nas religiões de mistério, como deus morto e ressuscitado. Na iconografia egípcia, é com mais frequência representado com seus três atributos: o cetro, o chicote, o bastão de longa vida, semelhante a um raio de sol.

Segundo a lenda egípcia, depois da morte de osíris, o corpo do defunto flutuou sobre o nilo e foi despedaçado; mais tarde, ísis reuniu todas as suas partes, com excessão de uma, o pênis, que um peixe engolira. Este detalhe, geralmente negligenciado nas interpretações do mito, possui entretanto a maior importância. Um texto religioso do antigo egito atribuirá a Osíris o dom da agricultura no vale do nilo. A germinação das plantas está ligada a uma decomposição, assim como uma vida nova a um aniquilamento prévio. Se o grão não morrer… O peixe que engole o pênis é igualmente considerado como iniciador, aquele que conduz a uma vida nova. Discerne-se desde então a ideia consciente de que o cadáver é como um pênis castrado ou que tenha perdido seu fluido seminal, comparável a um grão seco. As libações fúnebres o ajudarão a reencontrar seu fluido vital no outro mundo, assim como o grão umidificado na terra renasce sob a forma de uma planta [FRAZER, J-G. Le Rameau d'or, Lafont, Paris, 1981, pag XXV] A morte aparece como a castraçao final da vida, mas também como a condição que torna possível uma outra vida.

Hórus

Deus egípcio de cabeça de falcão. Filho de Osíris e de Ísis, muitas vezes representado por um olho, o olho de hórus, ou por um disco solar com asas de gavião. Simboliza a implacável acuidade do olhar justiceiro, ao qual nada escapa, da vida íntima ou da vida pública.

Hórus vela pela estrita execução dos ritos e das leis. Seu combate lendário com Set, o maligno, cujas partes ele decepou, mas que lhe vazou um olho, ilustra a luta da luz contra as trevas e a necessidade da vigilancia, i.e. de ter o olho aberto na busca da eternidade através das emboscadas dos inimigos e através do erro. Na longa história do egito, o personagem de Hórus muito evoluiu, por certo: deus celeste, divindade faraônica, soberano que luta pelo império do mundo. Mas sempre combatendo, para salvaguardar um equilibrio entre forças adversas e para fazer vitoriosas as forças da luz.

Set

Deus egípcio comparado a Tifão por plutarco e ao Baal palestino, identificado com o princípio do mal, frequentemente representado por um porco preto devorando a lua, onde refugiou-se a alma de seu irmão osíris, o benfeitor. É o demônio da mitologia egípcia, adorado por uns, amaldiçoado por outros e temido por todos: uma força pervertida. Personagem do conflito cósmico e moral entre o bem e o mal, simboliza as forças primitivas desviadas de seu alvo e as forças malfeitoras.

[símbolos, símbolos... bem debaixo dos nossos narizes... cabe a cada um compreender da sua própria maneira... ;) ]

About these ads


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s