Era uma vez um menino azul que gostava muito, muito mesmo do dia. Ele corria, pulava, aprendia e dava gargalhadas contagiantes pela casa. Azul gostava de ver as coisas como são: sem sombras e sem medo. O dia era assim para o menino: amarelo, com cheiro de laranja e muito azul no céu. (procurava carros nas nuvens, quase não os achava… Talvez o vento não soubesse como são)

[continue a leitura, clicando aqui]