hoje o dia começou foi bem.

tinha exame marcado às 8h da manhã

a maledita UNIMED [se é masoquista, este é o teu plano] não liberou um dos dois exames [e olha que o meu plano é o mais caro! roar!] Então precisei esperar a médica que solicitou o exame chegar para fazer o laudo destinado à unimed

Sabe que horas ela chegou?! AS DEZ DA MANHÃ. Sim… duas horas de chá-de-cadeira.

Nesse meio tempo, sentou-se ao meu lado um típico moreno-alto-bonito-e-sensual. Ao me ver lendo o Arco Vida-Breves [Sandman] puxou assunto. Me mostrou foto do filho de dois anos, falou sobre as descobertas do moleque e, o mais engraçado era que ele tentava disfarçar a aliança de casado. tsc tsc tsc.

Quando disse que tinha um filho de 4, ele fez a clássica pergunta: “Você é casada?” Aí, meu nego… dá-lhe curiosidade acerca da minha fuga do casamento: meus motivos e consequências. Ele, óbvio, veio com a pérola: “é, se o teu ex casou nesse curto espaço de tempo, é pq no mínimo … amante ele já tinha.” Grrrr. Ótimo jeito de começar um dia, relembrar de defuntos cremados. [O safado perguntou se eu possuia orkut pois queria me adicionar como Amiga [amiga é minha agenda. unf]. Graças ao meu bom papis tenho um nome complicado. Ele nunca me achará por lá MuahAhaHA]

Como ele tinha compromissos pendentes, acabou saindo de lá sem conseguir consultar-se. Na porta do elevador, sorriu timidamente e disse: ‘Tcháu Tái, Boa Sorte com o Exame’ [acho que ele previu o que viria… Mas é óbvio que ele só foi educado 😉 ]

Então, as 10h30 a médica entregou o laudo à recepcionista, que começou a negociação com a unimed.

Sabe que horas a menina me avisou que o exame havia sido liberado?

AO MEIO DIA.

Em ponto, parecia até coisa do demo.

Desci para fazer o Maledito exame, com aplicação de contraste, injeção e fotografias da retina. Durante o exame, com a agulha da injeção bem presa com esparadrapo na minha veinha, chega duas funcionárias – assim, de repente e começaram a conversar com a moça [MINHAAA moça do exame!!!] sobre confraternizações juninas.

Lá se foram mais 10 minutos de enrolação… A moça fingia que estava preenchendo os dados e ajeitando os aparelhos, enquanto reclamava do preço da torta [60 r$ : “tem o que nela, mulher?! ouro?! – com 60 reais compro dois livros e tô feliz. p#$%% de torta!]. As duas foram embora e ela começou a fazer a segunda parte da tortura: “fique com os olhinhos bem abertos e olhe para a luzinha piscando” – ARG COMO ODEIO QUEM FALA NO DIMINUTIVO! “Abra beeem o olhinho para a foto sair beeem bonitinha”. Não aguentei e soltei: “faço esse exame desde 2003. Acredite – eu sei o que devo fazer”.

A mocinha voltou pro computador e deixou a agulha lá, presa à injeção e aquele canudinho de plástico com contraste lilás… o telefone toca… sim, claro que o telefone tinha que tocar!

– como assim ela não vai participar?

– nononono

– mas são só 2 reais!

– nononono

– (e se foram quase 3 minutos de conversa… a injeção tava que já pinicava… comecei a lembrar do trabalho sobre IRA que preciso escrever e, bem… tive uma série de pensamentos para recheá-lo)

– moça, vc não vai tirar essa AGULHA do meu braço?!

– ow lindinha, me desculpe…

– grrrr [calma thahy, pensamentos felizes… a-ooommmm a-ooommmm]

– Meia hora depois, subo ao segundo andar e… SURPRESA! A médica fora convocada para uma cirurgia. A coitada da atendente até me deu a notícia de uma forma meio tímida… afinal, desde as 7h30 era obrigada a encarar meu olhar irado rajado e suspenso no ar.

Às 14h e pouquinho saí do consultório, consciente que, para ficar tudo o.k. com meus olhinhos preciso de outra singela injeção no olho.

Saí de lá também consciente que deveria ter viajado às 14h, rumo ao interior b.

Ao menos atestados médicos possuem alguma serventia.

E é o começo do mês.

Êh-lah-iáh.

p.s.1. promessa para o mês: só por hoje, não odiarei o mês de junho. só por hoje.

p.s.2.: procês verem… meu sobrenome é valente e, literalmente, tenho sangue no olho. roar! – a-oOmMmM…

Anúncios