Eu sou uma apaixonada por esportes… Um evento que sempre me deixa emocionada são as olimpíadas… Não só pela reunião de atletas de diversos países em competições onde a força, resistência e capacidade de superação são postas à prova e milimetradas… Mas pela História envolvida… e, bem… eu também sou apaixonada por História.

Todos sabem que as Olimpíadas começaram na Grécia, a aproximadamente 4.500 anos… Nos dias dos jogos Olímpicos, as guerras entre as cidades-estados eram cessadas para que todos pudessem honrar aos deuses, pedir boas colheitas, celebrando desta forma a vida, o espírito e o corpo.

Bom, passados 4.500 anos… muita coisa se perdeu… Talvez poucos saibam que a tocha olímpica simboliza o fogo que prometeu roubou dos deuses e presenteou a humanidade, trazendo compreensão, luz e liberdade para a humanidade. Hoje pouco se resta deste espírito olímpico de paz e respeito… Ameaças terroristas, um mundo marcado pelas fronteiras geográficas e barreiras mentais… Onde as questões político-financeiras valem muito mais do que o Amor ao  esporte e/ou o respeito à humanidade. [lembrando que a própria deusa da vitória virou um produto nas prateleiras, né?]

Sei que este ano não estou empolgada para ver os jogos. À medida que o ano se desenrolou pudemos acompanhar a realidade olímpica que o governo da china preparava:

  • O esforço para educar a população: mudança de hábitos – tais como cuspir no chão, não demonstrar preconceito com não-chineses, etc…
  • As placas que sinalizam locais de acesso público com erros grosseiros de tradução para o Inglês [as imagens já rodam na internet e figuram em revistas de circulação nacional]
  • O adestramento, onde blocos de pessoas foram ensinadas a como torcer, como demonstrar sentimentos ante as vitórias e conquistas dos atletas… [o que me assusta e decepciona]

Gente, me explica Como é que se adestra um país-sede a  ‘como torcer’, ‘como demonstrar alegria’, ‘como vibrar’? Os jogos olímpicos deveriam ser algo que, per si emanam esta alegria… Afinal, de quatro em quatro anos ficamos bestificados com a capacidade física humana de quebrar os próprios limites…

Eu já tenho meu olhar torto para a China, com o descaso com a questão ambiental, a poluição… sem falar no machismo, as execuções sumárias, a censura maciça à internet… esta ditadura milenar maquiada de nacionalismo e patriotismo impessoal, sem rosto… etc…

Não é a toa que… o símbolo das olimpíadas deste ano já virou algo tão mórbido e rodado na internet…

Ah, os mascotes…!

Claro que não poderia esquecê-los…Que criancinha e adulto pode ficar sem a sua lembrancinha dos jogos, né? Este ano são cinco, com carinha de ToyArt… Representam qualidades que talvez nem todos os chineses possuam o prazer – e a liberdade de escolher e desfrutar:

A mascote Beibei lembra um peixe, um dos símbolos da prosperidade chinesa. Ela também é a representação do elemento água, por isso remete aos esportes aquáticos. Assim como, o anel azul da bandeira olímpica (argola da Europa). Beibei foi apresentada como uma menina gentil e pura.
O panda Jingjing mostra honestidade e otimismo e representa os esportes que usam a força, como o judô e o levantamento de peso. Ele é o anel preto da bandeira olímpica (que simboliza a África) e tem como principal característica a felicidade. Entre os elementos da natureza, o seu é a madeira.
Extrovertido e entusiasta, Huanhuan não é nenhum animal como os outros, e sim, a própria chama olímpica. A sua cor avermelhada representa a paixão e o anel da América na bandeira. Entre as modalidades, o boneco remete aos jogos com bola e tem o fogo como elemento principal da natureza.
Ironicamente, Yingying é um animal em extinção (o antílope-tibetano) e tem como principal traço da personalidade a vivacidade e representa a saúde. Ele é o anel amarelo da bandeira olímpica (Ásia) e por causa do seu traço físico remete ao atletismo. Na natureza, o seu elemento é a terra.
Nini é, como Beibei, uma menina (as duas únicas da turma) e traz o ideal de felicidade. A andorinha, animal que representa, carrega a personalidade inocente e alegre. Nos esportes, Nini remete à ginástica olímpica e tem o céu como elemento da natureza. O seu anel olímpico simboliza a Oceania.

Bom, é esperar para ler e ver… Neste mundinho onde o $$$ comanda, aguardemos quais surpresas a ditadura chinesa preparou para nós…

Será que Prometeu ainda se arriscaria a roubar a fagulha divina para nós, hein? [ou será que ele se arrependeu? 😉 ]

Anúncios