como admiro as pessoas desprendidas… aquelas que se atiram numa escolha e seguem reto, por vezes tropeçando, mas aprendendo a cada passo dado e caminho atravessado. Gostaria sim de ser assim, expressar essa coragem ao tomar um caminho e entregar-me de corpo e alma… e, por mais que tente me convencer, dizendo a mim mesma que não ligo em ser tão sozinha, e que fiz da solidão uma escolha… sei que esta não é toda a verdade…

por mais que me sinta bem com a vida que levo e que aceite a falta de uma pessoa que goste de mim e que nutra por ele um sentimento de gostar e querer bem e recíproco ao meu lado…(fisico, psíquico… cheio de volume, altura, comprimento, profundidade… )

Damaged people are dangerous, they know they can survive”

será que realmente sabem? será que não aprenderam a fugir… de algo que realmente poderia mexer com as estruturas estabelecidas…desequilibrar todo o sistema, desmoronar ideações, suposições… achismos…

esta vertigem persistente, por vezes divertida… roller coasters… que amedronta na maioria das vezes… quando nosso centro gravitacional é mexido… por outra estrela de igual grandeza… fugir, encarar… o que fazer?

alguns dizem que esta ansiedade gerada é devido à saída da zona de conforto… – este habitat mental que construimos e nos sentimos seguros… nosso quarto, casa, amigos, lugares… mas nunca nós dentro de nós mesmos… – sair desta zona é mergulhar no oceano dos sentimentos… provando do doce e do amargo… e sentir-se profundamente decepcionada por preferir a jaula mental dos medos, anseios… e não viver, deixar a possibilidade de tentar ser feliz…por ao menos 5, 6, 10 dias… por conhecer a deadline… o prazo final… nossa, porque me preocupo com isso agora… porquê já afasto algo no meio do caminho… traumas, gata escaldada… virei uma dessas, hein tela e teclas do computador? virei uma covarde que nao vive, sofre por antecedencia… sem mais se arriscar… sem se entregar…

tempo não se emprest, nunca. tempo – no máximo se compartilha… mas o pior de tudo é que ele realmente não importa. memórias não dependem do tempo, não possuem data inicial e muito menos prazo de validade…elas existem como entidades a governar quem somos… a embalar nossos sonhos e na busca – por vezes frustradas – de recuperarmos um pouquinho daqueles momentos…tão preciosos… como fotografias… mas engraçado, elas não ficam amareladas com o tempo… nunca. por vezes não lembramos o nome, muito menos sabemos precisar a data ou o quê estávamos sentindo… mas só em rememora-las nos sentimos bem…lembramos quem somos…

onde estão minhas memórias…

o que no agora será memorável daqui a uma semana?

se arrisca, tatai. se entrega… do chão você não passa… pode até sair mais fortalecida… com uma couraça nova pra te proteger dos tombos que virão…

disso você não tem como fugir. por mais que volte no tempo e faça diferente…

o momento presente aconteceria de qualquer forma… não esperneie. viva. seja feliz. tente. seja contente… com tente… tente…

rs.