Busca

i n t e n s i d a d e

a sombra que me move também me ilumina

presente #x²

só clique se souber a NOVA resposta...

segunda-feira mais uma vez novamente

o final de semana acabou, os excessos foram cometidos e temos que retomar nossas atividades c o t i d i a n a s …

minha pergunta: JÁ SE ESPREGUIÇOU HOJE?!

Sei que pode parecer estranho… mas… eu costumo observar demais os bichos… pra poder compreender os seres humanos: meu gato, por exemplo… Continue reading “segunda-feira mais uma vez novamente”

uma proposta

no blip costumo selecionar uma música dos filmes da disney, pra fechar a noite e dormir… daí pensei: Continue reading “uma proposta”

família êh, família ah, família…

pq não sei o que seria sem eles

pq a gente briga feio, xinga, manda pra lugares impublicáveis… mas ai de quem ousar falar uma vírgula torta sobre alguém

pq através deles, sentimos ciúme, insegurança, medos, compaixão, ódio, amor, carinho, raiva, alegria, divisão, particularidades, unicidade…

e aprendemos a roubar no banco imobiliário e a passar a perna Continue reading “família êh, família ah, família…”

despreparo de merd@

Alguem me explica, por favor:

  • como a porra dum sequestrador tem DIREITO de fazer as proprias exigências e mesmo, após não CUMPRIR o que disse que faria não sofre nenhum tipo de ação mais diretiva.
  • onde apos os primeiros descumprimentos dos acordos,  ele não tem água, eletricidade cortadas e ao invés de comida e água normal, não introduzem soniferos ou algo do tipo
  • pq apos ele nao querer negociar um atirador de elite nao mete bala na cabeça do filho da puta qdo aparece na janela?
  • como é que pode emissoras de tv entrevistando, dando espaço na mídia e ibope? Continue reading “despreparo de merd@”

o livro do destino

Ninguém escapa ao Destino

Oculto ou aparente,

De face serena ou inclemente …

. . . . . . . [Das “Mil e uma noites”]

.

Certa vez – há muitos anos – quando de volta de Bagdá, aonde eu fora vender uma grande partida de peles e tapetes, encontrei num caravançará [1] perto de Damasco velho árabe de Hedjaz que me chamou de certo modo a atenção. Falava agitado com os mercadores e peregrinos, gesticulando e praguejando sem cessar.  Fumava constantemente uma mistura forte de fumo e haxixe e quando ouvia de um dos companheiros uma censura qualquer, exclamava, apertando entre as mãos o turbante esfarrapado:

Mac Allah! [2], ó muçulmanos! Eu já fui poderoso! Eu já tive o Destino nesta mão! Continue reading “o livro do destino”

máximo divisor comum

Continue reading “máximo divisor comum”

google x discografias

direto do site da folha

” Uma guerra silenciosa, travada nos bastidores da principal rede social do país, preocupa internautas que baixam música pela internet. O Orkut, braço do Google que neste ano passou a ser chefiado por uma equipe brasileira, começou a deletar pedaços da sua maior comunidade dedicada a compartilhamento de arquivos MP3, a “Discografias”. Continue reading “google x discografias”

quando neLvoso faço o que?

geniosa

cezzanne afirmou: “Às vezes é preciso estragar um pouquinho o quadro para terminá-lo.”

mas… poxa… que coisa difícil… eu NÃO CONSIGO definir a cor da borboleta! Ela já foi amarela, anil, marrom… agora tá assim, toda magenta com violeta…

Acho que devo primeiro terminar a grama e o céu, o caule pra só depois descobrir que cor – afinal – ela quer ser pintada.

A pintura é totalmente diferente do desenho… As cores e formas possuem personalidade… e como a tinta óleo demora SÉCULOS pra secar, paro pra pensar… e essa parada acaba por influenciar na nova ‘mao’ de tinta…

Vou esperar secar, né? O que mais posso fazer? Daqui a alguns dias vejo se ‘ela’ escolheu a cor que quer ser ! Ah, detalhe: tô aprendendo na tentativa e erro… visto que nunca tive aula de pintura… nem de artes… só se aquelas… da escola servirem! HAhahAH ;)

organizando a parcela virtual

já apresentei a mono sob forma de palestra em alguns congressos e encontros…

Daí decidi upar no bloguinho alguns slides pra dar uma ‘visão’ beeeem ampla das coisas que pesquisei… e que pretendo adaptar/cortar/ incluir no projeto futuro

Clica na imagem, clica

preciso da opinião de vocês

Minha monografia de conclusão de curso foi o estudo do ciúme e suas consequências desastrosas para um relacionamento a dois. Nela analiso o ciúme, principalmente o feminino sob a otica da Psicologia Evolutiva e da Análise do Comportamento…

Na primeira parte, escrevi sobre a visão histórico-social que temos do feminino… Faço um passeio pelo mito de Adão e Eva – falando sobre Lilith… Faço uma pequena análise da sociedade patriarcal… a forma como a expressão feminina foi silenciada… Aí falo sobre a caça às bruxas durante a inquisição… Depois vou costurando a história, chego no feminismo, na revolução sexual, termino a primeira parte analisando as relações de amor / ódio / posse modernas… Continue reading “preciso da opinião de vocês”

galeria com capas de clássicos modificados

poxa… eu ♥ a internet d e f i n i t i v a m e n t e

neste site tem uma galeria incrível com capas de  álbuns clássicos modificados…

Olha o que fizeram com o Dark Side, do Pink Floyd:

Putz…

definitivamente ‘menos é mais’ no quesito “álbuns clássicos do rock”…

o que me faz pensar: se as capas fossem tão extravagantes como mostradas, será que fariam tanto sucesso até os dias de hj?

d u v i d o !

Só sei que… essa versão do darkside ficou mui divertida… deu até vontade de coloca-la num poster ;)

brigada pela dica, nego ♥

tragédia

A história passa-se em Roma, em 1800.

Ato I

A Igreja de Sant’Andrea della Valle, em Roma

Angelotti acaba de fugir do Castelo de Sant’Angelo. Aterrorizado e ofegante, ele entra na igreja, aparentemente vazia. Sua irmã, a Marquesa Attavanti, está colaborando na sua fuga. Ela entrou na igreja alguns dias antes e, fingindo que rezava, escondeu uma chave aos pés da Madona; é a chave da capela dos Attavanti. Ele recolhe a chave rapidamente, entra na capela, e se esconde. Na igreja há uma grande pintura coberta com um pano, e diversos apetrechos de pintor. Um sacristão entra cantarolando. Sinos badalam, é a hora do Angelus, ele se ajoelha e reza. Chega Cavaradossi, o artista revolucionário esquerdista e voltairiano (adepto de Voltaire), e descobre o quadro no qual está trabalhando: é um retrato de Maria Madalena. O pintor canta enquanto trabalha, e o que ele canta é um hino de amor à arte, à vida, e à sua amante, Floria Tosca, uma cantora de ópera (Recondita armonia). Continue reading “tragédia”

a porcelana do rei

Certa vez, achava-se Confúcio, o grande filósofo, na sala do trono.

Em dado momento o Rei, afastando-se por alguns instantes dos ricos mandarins que o rodeavam, dirigiu-se ao sábio chinês e perguntou-lhe:

– Dizei-me, ó honrado Confúcio: como deve agir um magistrado? Com extrema severidade a fim de corrigir e dominar os maus, ou com absoluta benevolência – a fim de não sacrificar os bons?

Ao ouvir as palavras do soberano, o ilustre filósofo conservou-se em silêncio; passados alguns minutos de profunda reflexão, chamou um servo, que se achava perto, e pediu-lhe que trouxesse dois baldes – sendo um com água fervente, outro com água gelada.

Ora, havia na sala, adornando a escada que conduzia ao trono, dois lindos vasos dourados de porcelana. Eram peças preciosas, quase sagradas, que o rei muito apreciava.

E, com a maior naturalidade, ordenou o velho filósofo ao servo:

– Quero que enchas esses dois vasos com a água que acabas de trazer, sendo um com água fervente num dos vasos e a gelada no outro, quando o rei, emergindo de sua estupefação, interveio no caso com incontida energia:

– Que loucura é essa, ó venerável Confúcio! Queres destruir essas obras maravilhosas?! Fará , arrebentar o vaso em que for colocada; a água gelada fará partir o outro!

Confúcio tomou, então, de um dos baldes, misturou a água fervente com a gelada e, com a mistura assim obtida, encheu os dois vasos sem perigo algum.

O poderoso monarca e os mandarins observavam atônitos a atitude singular do filósofo.

Este, porém, indiferente ao assombro que causava, aproximou-se do soberano e assim falou:

– A alma do povo, ó Rei, é como um vaso de porcelana, e a justiça é como a água. A água fervente da severidade ou a gelada da excessiva benevolência são, cada uma, desastrosas para a delicada porcelana; manda, pois, a Sabedoria e ensina a Prudência que haja um perfeito equilíbrio entre a Severidade, com que se pode castigar o mau, e a Longanimidade, com que se deve educar e corrigir o bom.

vou largar dessa onda de ser imediatista

vou me atirar do tomateiro,

cortar os pulsos com papel,

vou me dar um tapa na cara com luva de pelica,

e dançar deitada até o dia raiar.

. a mentira [avaliando o censo-comum]

“O que faz mal não é a mentira que passa pela mente, mas a que nela mergulha e se firma.” [Francis Bacon]
mas que nela se mergulha e se firma. neste caso – é importante frisar – podemos pensar em duas opções:

a. a mentira consciente, maliciosa… ato de má-fé. [mentirosos compulsivos]

b. estar-se inserido num sistema e não perceber que ele é uma farsa [matrix]

“A mentira arruina rapidamente o mentiroso.” (Marcilio Ficino)
discordo.

[ clique e continue lendo sobre a mentira e o censo-comun ]

os outros

[continue a leitura da crônica ‘ os outros ‘ clicando no link ]

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com. | O tema Baskerville.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: